logoNova017

 

INTRANET | WEBMAIL
       aemerj@aemerj.org.br
 Av. Rio Branco 245, 20º andar
 21 2544-2561 / 21 2544-2348 
Centro  CEP - 20040-917

Destaques

Municipalismo e Ação

Prefeitos

Carta em apoio e reinvindicação ao Fundeb permanente: aprovação urgente para garantir o direito à educação pública

Rio de Janeiro 17/07/2020

A União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação - Seccional Rio de Janeiro - Undime-RJ e a União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação – Seccional Rio de Janeiro (Uncme/RJ) vêm, respeitosamente, por meio desta carta, solicitar aos Senadores e Deputados Federais que representam o Estado do Rio de Janeiro no Congresso Nacional a aprovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb)

Leia mais...

WEBCONFERÊNCIA CNM e Região Sudeste

Rio de Janeiro 09/07/2020
O Presidente da CNM, Glademir Aroldi, convoca a todos os Prefeito(as), chefes de Gabinetes, Secretários especial do Prefeito.

Leia mais...

MOBILIZAÇÃO AEMERJ PARA VOTAÇÃO DE PREFEITOS E PREFEITAS FLUMINENSES NAS ASSEMBLEIAS CNM

Rio de Janeiro 09/07/2020
A CNM esta realizando assembleias gerais extraordinárias, até o dia 11 de julho, de forma digital que necessitam da participação de todos os prefeitos e prefeitas, através de seus votos.

Leia mais...

CCJ aprova PEC que obriga governo a executar emendas coletivas ao Orçamento

Rio de Janeiro 08/07/2015

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou, nesta quarta-feira (8), a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 2/15, do deputado Hélio Leite (DEM-PA), que torna obrigatória a execução das emendas coletivas - de bancadas estaduais e comissões permanentes - ao projeto da Lei Orçamentária Anual (LOA).

Pela proposta, a União é obrigada a executar as emendas coletivas em pelo menos 1% da receita corrente líquida (RCL) realizada no ano anterior. Para 2015, isso significaria, no mínimo, R$ 8,075 bilhões.

Segundo o autor, o contingenciamento das emendas de bancada e comissões vem virando regra. “A não priorização pelo Executivo não ocorre baseada no mérito, mas tão somente no fato de serem programações do Legislativo”, disse Leite.

O relator, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), apresentou parecer favorável à matéria. A análise da CCJ se restringe aos aspectos constitucionais e jurídicos da proposta.

O texto será analisado agora por uma comissão especial, a ser criada especialmente para isso, e depois será votado em dois turnos pelo Plenário da Câmara.

Orçamento impositivo
As emendas individuais de deputados e senadores ao Orçamento da União já tem a execução obrigatória desde março desde ano, quando foi promulgada a Emenda Constitucional 86. Essa emenda foi resultado da aprovação da PEC 358/13, do Senado, conhecida como PEC do orçamento impositivo.

A execução das emendas individuais passou a ser obrigatória até o limite de 1,2% da receita corrente líquida realizada no ano anterior.

Fonte: Agência Câmara Notícias

Fique por dentro

Links úteis

Facebook